segunda-feira, 11 de novembro de 2013

[Opinião +D] A Europa que merece ser honrada

Assinalou-se recentemente o centenário do nascimento de Albert Camus e, uma vez mais, veio à tona o incómodo que a sua obra ainda hoje causa, desde logo em França e na Argélia, seu país natal. Assumindo-se como um apologista da revolta, mas não revolucionário, como um socialista, mas não marxista, defendeu a autonomia da Argélia, mas não a sua independência, o que tanto enfureceu aqueles que queriam manter o status quo colonial como os ditos “anti-colonialistas” que, tanto na França como na Argélia, se bateram por essa independência.

Talvez seja essa, porém, a grande marca dos seres humanos, homens e mulheres, realmente íntegros: pensar sempre “contra a corrente”, para além de todas as ortodoxias, apenas fiéis a si próprios. Desde Sócrates, que, em nome dessa fidelidade, aceitou, inclusive, a sua condenação à morte, tem sido essa, pelo menos, uma das marcas maiores da Filosofia na Europa. Eis, de resto, a Europa – apenas essa – que merece ser honrada. Não aquela que, renegando o seu berço, cada vez mais espezinha a dignidade da Grécia, a Pátria de Sócrates.





Renato Epifânio (membro da Coordenação Nacional do +D)
Os textos de opinião aqui publicados, se bem que da autoria de membros dos órgãos do +D, traduzem somente as posições pessoais de quem os assina.

Sem comentários:

Publicar um comentário